Corre Mundo

ONDE CORRER EM PARIS – 2 SUGESTÕES DE TRAJETO


Às vésperas da Maratona de Paris, Jussara fez os dois últimos lindos treinos já na capital francesa e sugere duas rotas distintas: Louvre e Torre Eiffel.

(E termina aqui a saga da linda amiga e suas corridas pela Europa no corremundo.  A boa notícia é que ela tomou gosto pelos posts e agora tem casa própria no blog Um pouco do meu mundo).

 

“Já era a semana da Maratona de Paris. Eu ainda tinha dois treinos previstos, só rodagem bem levinha, de 45 a 60 minutos.
Logo no primeiro passeio vi um monte de corredores nos Jardins de Luxemburgo (sim, também com aquele mesmo piso estranho entre terra batida e saibro claro) e, claro, me animei! Uma prima falou que sempre via corredores também no Jardin des Tuileries. Já eram duas opções.

Só que eu simplesmente AMO correr na rua, e nosso tempo em Paris não poderia ser perdido.
Olhando a programação de passeios havia uma caminhada para conhecer alguns lugares próximos ao hotel, logo cedo, aproveitando enquanto as demais atrações ainda não estavam abertas.
E daí veio a ideia: por que não fazer esse tour correndo? Estava decidido! Repetiríamos a experiência de Bruxelas, mas agora com a câmera do celular em mãos.
Como os treinos eram só pra manter o condicionamento, sem preocupação de ritmo, já saímos do hotel dispostos a parar nos pontos turísticos mais interessantes. Não demorou muito para acontecer.

 

ROTA 1 – TORRE EIFFEL

Nosso hotel ficava em Invalides (ao lado do Hotel des Invalides – Musée d’Armée). Lá já foi a primeira parada. O foco era chegar à Tour Eiffel, claro! Ainda não tínhamos visto a maravilha de perto.
Uma volta por aqui e por ali e eis que ela surge em uma curva para a direita… Ahhhhh que coisa linda! Parece piegas, mas eu suspiro só de lembrar! Juro que assim que ela apareceu começou a tocar a única música francesa do meu iPod. Eu falo: aquele lugar é mágico.
Voltemos. Além de ser linda e de ser A TORRE, o lugar ainda é maravilhoso para treinar, seja seguindo pelas margens do Sena, seja dando voltas no Champ de Mars, tendo de um lado a torre e do outro a École Militaire.
Demos algumas voltas por ali e voltamos por um caminho mais curto para o hotel. Só aí descobrimos o quanto estávamos próximos!

 

Cartão postal de corredor (crédito André Tuma)

 

A rota passando pela Torre Eiffel

 

 

ROTA 2 – LOUVRE

O segundo treino, na antevéspera da Maratona de Paris, foi pro lado oposto. Já tínhamos feito todos os passeios turísticos a que tínhamos nos proposto (ou você acha que deixei de andar pela Champs-Elisee como se não houvesse amanhã? Ou que não rodei o D’Orsay e o Louvre de canto a canto?) e o destino escolhido foi o Louvre.
Como deixamos pra sair um pouco mais tarde do hotel, tive medo de encontrarmos muito movimento, mas acabamos dando sorte.
Seguimos do hotel sentido rio Sena, atravessamos pela Ponte da Alma, chegando até a Champs-Élysées, viramos sentido Praça da Concórdia, atravessamos, entramos no Jardin des Tuileiries (muita gente correndo por ali!) e chegamos ao Louvre! Na entrada cinematográfica da pirâmide!
Lá é ok para correr. O movimento existe, sim, mas vale pelo turístico e maravilhoso! Sem contar que uma foto ali é algo que parece montagem de tão perfeito!
Nesse dia, pela proximidade da Maratona, muitos e muitos corredores nas ruas, especialmente no parque e nas margens do Sena, onde eu acredito que seja a maior concentração de corredores da cidade, mesmo com a grande quantidade de parques.

 

Rota2: Invalides, Jardin des Tuileries e Louvre

Bem cedo, a pirâmide só para você

 

 

Amei os treinos! Amei descobrir as ruas de Paris correndo (e é bem tranquilo explorar a cidade dessa forma, ao menos pelos lugares por onde corremos), mas preciso dizer que MORRI DE INVEJA quando, passeando pelos jardins do Palácio de Versailles, vi vááários corredores! Lá é um dos lugares mais lindos que já vi na vida, e correr ali deve ser uma experiência única! Portanto, não percam a oportunidade!

Jardins do Palácio Versailles (só uma pontinha para dar água na boca). (crédito: Marina Gomes)

Uma outra observação: o percurso da Maratona passava pelo Bois de Vincennes, já bem mais afastado do centro da cidade (mas servido pelo metrô, que em Paris funciona muito bem), e eu fiquei apaixonada pelo lugar! Lindo, lindo! Com pistas em volta de um lago, ou ruas asfaltadas largas e arborizadas. Vale se deslocar até lá para fazer um treino!

Paris é apaixonante, e Paris correndo tem esse aspecto potencializado!

Os treinos foram super gostosos e descobrimos algumas coisas sobre correr lá:

1) Não saia sem uma câmera fotográfica ou algo que lhe faça as vezes

2) É bom sair sem rumo e sem se preocupar com ritmo

3) É importante sair preparado para se surpreender com uma maravilha a cada esquina”.

 

 

 

 

 


Twitter Siga o Corremundo pelo Twitter Facebook Curta nossa página no Facebook