Corre Mundo

MARATONA DE PARIS


 

Veja o lindo vídeo da Maratona de Paris 2012

 

 

Quem esteve lá foi a mineira Jussara Tuma, que contou um pouco a emoção de estrear nos 42km na capital francesa.

 

“A decisão de correr uma maratona antes do previsto veio imediatamente junto com a escolha do local de estreia. Paris, 15 de abril de 2012. Era fim de outubro e eu estava no telefone com meu treinador, prometendo dedicação e cautela. Eu estava voltando de uma lesão séria e muito tempo sem treino. Teria 2 meses para fazer base e mais 4 meses de treinos específicos. Pouco tempo para uma preparação ideal.

Treinos perdidos? NENHUM. Musculação, natação, bike, alimentação regrada e “voilà”! Vieram os primeiros desafios. 20km com subidas tendo dormido no máximo 2 horas na noite anterior, 24km, 30km, 32km, intervalados, tiros, treinos no sol, na chuva, na terça de Carnaval…

E o grande dia chegou.

A cidade respira Maratona! Minha prima está morando em Paris e dias antes de eu embarcar me mandou uma foto tirada no metrô: um cartaz chamando as pessoas para as ruas para apoiar os corredores. O meu primeiro contato com os cartazes da Asics espalhados pelo metrô me levaram às lagrimas.

Fui à feira na sexta-feira à tarde. Retirei meu kit, fiz algumas (várias) comprinhas no big stand da Asics, encontrei o Camilo, treinador da Run&Fun, o Ricardo Chester, o Alessandro Silva, e passei eu também a respirar Maratona.

No sábado foi dia de levantar tarde, almoço em St. Germain, uma voltinha na Île St. Louis (com direito a um sorvete Berthillon para ajudar na performance) e descanso.

Por incrível que pareça, dormi muito bem e estava tranqüila no domingo. Na manhã da prova encontro com o pessoal da Run&Fun, alongamento, ponto de encontro durante a prova definido. 5ºC com sensação de zero, como eu gosto. Perfeito, mas sofri muito esperando no frio.

A largada é muito organizada. Logo no começo não é necessário desviar de corredores (mas de roupas e garrafinhas sim!).

Encaixei o ritmo, foquei na minha playlist exclusivamente pensada e montada pra prova e fui. Até a Bastilha (5km) o André, meu marido, foi comigo (ele estava inscrito, mas como fez a maratona de Buenos Aires há pouco tempo, optou por correr somente alguns trechos comigo, de apoio).

Conhecer Paris é ótimo. Conhecer Paris correndo é maravilhoso!

Pelo caminho fui me divertindo vendo as pessoas nas ruas, as bandinhas, os brasileiros, ouvindo minhas músicas… Aproveitei cada segundo. Com quase 27km o André me encontrou novamente. Eu estava muito bem.

Nos 30km, a batata salgada e coca cola pra me animar! Por incrível que pareça, ao contrário dos treinos, eu não estava com o estômago ruim de gel.

Com 34km as pernas pesaram. Reduzi o ritmo. Pensei nos amigos que me apoiaram, no compromisso que eu tinha comigo mesma de terminar bem. Ia desviando o pensamento da distância. Focava nas pessoas e nas musicas.

Do 41 até o ” arriveè”  fui só no coração. As pernas eu nem sei o que foi feito delas.

4h27m02s foi o tempo oficial. Comemorado com muito choro, lágrimas de emoção, de agradecimento a Deus por estar ali, por não ter caminhado, por ter conseguido.

 

A prova

O que dizer? Bem, onde todas têm um “muro” (30km), ela tem a Torre. Isso já seria o suficiente.

Dizer que ela é irretocável seria demais. Em vários pontos o chão é composto de calçamento tipo paralelepípedo, o que atrapalha bastante.

A hidratação a cada 5km (acho que o ideal, mesmo com frio, seria 3km) é feito só de um dos lados da pista, deixando os postos muito lotados. Junto com a água são distribuídas frutas – e as cascas no chão exigem redução de velocidade e cuidado.

Powerade é distribuído somente no km 33… Talvez mais uns 2 pontos seria o ideal.

 

Falsa plana

Quando vi o gráfico da altimetria pela primeira vez, ri. Todos dizem ser plana, mas é cheia de altos e baixo. Acredite, as subidas estão presentes, tanto nas avenidas quanto nos (vários) túneis. São vários e um deles beeemmm longo.
Em todos o GPS perdeu sinal.

A pista se estreita em vários pontos. O melhor é ter paciência e seguir o fluxo.

Mas, é Paris!!!! A cidade é linda, o clima é perfeito, as pessoas são agradáveis, a feira é ótima, largada, dispersão, guarda-volumes, camiseta boa, medalha bonitinha (esperava que ela fosse maior, mais “pomposa”), e depois você comemora a vitória com uma Veuve Clicquot comprada no supermercado, comendo crepe de Nutella e admirando a Torre Eiffel (bem, foi o que eu fiz!).

E se alguém ainda tem alguma dúvida, só posso dizer que fui muito feliz por 42,195km e 4h27m02s em Paris!”

 


Twitter Siga o Corremundo pelo Twitter Facebook Curta nossa página no Facebook


  • 3 Comentários

  • Eduardo Lesnok says:

    27/04/2012

    Olá Jussara. Belo relato!

    Eu também estava lá fazendo a minha estréia em maratona. Concordo com você em tudo que disse, a feira, a organização e as emoções… assino embaixo.
    Fizemos um tempo muito parecido, completei com: 4:25:17.
    Ainda estou vivendo intensamente estas emoções. Agora ninguém tira de nós esse título, somos MARATONISTAS… para sempre!

    Um forte e carinhoso abraço…
    Eduardo Lesnok
    Peregrino de Santiago de Compostela e Maratonista.

  • Como eu gostaria um dia poder correr essa maratona! É um trajeto tão lindo.

  • Deixe um comentário